O nosso cafezinho é uma alimentação saudável? - Nutrientes Para a Vida

O nosso cafezinho é uma alimentação saudável?

Por Valter Casarin

No dia 14 de abril comemoramos o Dia Mundial do Café, oportunidade para todos darem destaque a esta bebida tão querida. O café é a segunda bebida mais consumida no mundo, depois do chá. A todos os amantes do café, desejamos um delicioso momento diante da sua xícara, com aromas delicados e cativantes.

Para celebrar globalmente a jornada do café desde o produtor até você, o consumidor, vamos homenagear as mulheres e os homens que cultivam e colhem o café que todos amamos. Este dia é também uma excelente oportunidade para apoiar os cafeicultores cuja sobrevivência depende desta cultura.

O café é uma bebida preparada a partir de grãos torrados provenientes dos frutos da planta de café. Existem duas espécies principais de grãos: o arábica e o robusta, e dependendo de onde são cultivados, o país e a altitude determinam o sabor característico da bebida.

Você provavelmente já ouviu falar que o café aumenta a pressão arterial, o risco de doenças cardiovasculares ou até mesmo de diabetes. Boas notícias para os fãs da nossa bebida favorita: uma revisão científica recente concluiu o contrário! O consumo de café pode, sob certas condições, ser extremamente benéfico contra estas e muitas outras doenças.

Um dos maiores mal-entendidos vem do fato de que muitas vezes equiparamos o café à cafeína. A cafeína é responsável pelo efeito psicoestimulante do café: antagoniza o efeito da adenosina, uma das moléculas do nosso sistema nervoso que promove o estado de sonolência.

Consumido com moderação (3 a 4 xícaras/dia, ou 300 a 400 mg de cafeína), o café reduz significativamente o risco de diversas doenças crônicas e degenerativas, incluindo:

  1. Ajudá-lo a viver mais: um estudo publicado no Annals of Internal Medicine sugere que beber três xícaras de café por dia pode prolongar a vida, reduzindo o risco de morte por diversas condições, incluindo doenças cardíacas. No entanto, o mecanismo e o efeito da influência do café no envelhecimento ainda não são totalmente compreendidos e são necessários mais estudos;
  2. Pode aumentar a energia e o desempenho: o café pode ajudar algumas pessoas a manter o estado de alerta e os níveis de energia graças ao seu teor de cafeína. Quando o café é consumido, ele é absorvido pela corrente sanguínea e segue até o cérebro, onde “ativa” certos neurônios, o que pode melhorar a memória, o humor, a energia e as funções cognitivas, desde que consumido com moderação. Outros relatórios sugerem que beber café antes do exercício pode reduzir a frequência do exercício e potencialmente melhorar o desempenho atlético;
  3. Pode aumentar o metabolismo: os resultados da pesquisa sugerem que a cafeína melhora o controle do peso, aumentando a taxa metabólica e queimando gordura. Os pesquisadores, portanto, levantaram a hipótese de que a cafeína pode ser promissora no tratamento da obesidade, embora sejam necessárias mais pesquisas;
  4. Reduz o risco cardiovascular (incluindo o risco de acidente vascular cerebral) ao reduzir o stress oxidativo; tem efeito protetor contra o risco de diabetes tipo 2, melhorando a sensibilidade à insulina e o aproveitamento da glicose pelos músculos; protege fortemente o fígado contra fibrose e cirrose, particularmente em pessoas que sofrem de hepatite B ou C, doença hepática gordurosa alcoólica ou não alcoólica (fígado gorduroso); tem um efeito protetor nas doenças inflamatórias intestinais crônicas e melhora a atividade metabólica das bactérias boas da nossa microbiota.

Quanto mais tempo o café é infundido (por exemplo, café filtrado), mais aumenta o seu teor de cafeína. O conteúdo médio de uma xícara varia entre 65 e 120 mg. Um refrigerante de cola contém cerca de 40 mg e algumas bebidas estimulantes, até 80 mg/copo.

Embora seja verdade que a cafeína tomada isoladamente pode ter efeitos adversos para a saúde, a complexa mistura de centenas de compostos naturais no café garante que os seus efeitos potencialmente nocivos sejam amplamente neutralizados. O café contém muitos polifenóis e flavonoides antioxidantes, bem como vitaminas e minerais. É a sinergia entre estes componentes que torna a bebida interessante para a nossa saúde, o que infelizmente não acontece com os refrigerantes com cafeína.

Todos esses benefícios são anulados se você adicionar creme ou leite ao café. Estes tornam os compostos antioxidantes do café completamente inativos, dando liberdade aos efeitos potencialmente nocivos da cafeína. Da mesma forma, os adoçantes anulam os benefícios do café contra diabetes ou doenças intestinais.

Não somos geneticamente iguais uns aos outros, quando se trata de cafeína. Alguns herdaram enzimas hepáticas que são menos eficientes em metabolizar. Portanto, permanecem na corrente sanguínea por mais tempo. Mesmo em doses baixas, o café deixa essas pessoas nervosas ou incapazes de dormir.

Deve-se notar também que os polifenóis do café interferem na absorção do ferro dietético. As pessoas em risco de deficiência devem, portanto, esperar pelo menos uma hora após a refeição para tomar café, mesmo descafeinado.

Em relação a nutrição do cafeeiro, na primavera e no verão o cafeeiro aprecia um suplemento nutricional. Esse suplemento é realizado por intermédio do uso de fertilizante. Deve-se utilizar preferencialmente um fertilizante adaptado às necessidades das plantas. Os cafeeiros precisam de uma “dieta” completa. A deficiência de qualquer um dos nutrientes necessários reduzirá significativamente a sua produção ou diminuirá a qualidade da bebida durante o processamento. A quantidade necessária de nutriente varia de acordo com o estágio de desenvolvimento da planta. Assim, o fertilizante é um grande aliado para alcançar  a qualidade do cafezinho do seu dia-a-dia.

 

*Valter Casarin, coordenador geral e científico da Nutrientes Para a Vida é graduado em Agronomia pela Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias/UNESP, Jaboticabal, em 1986 e em Engenharia Florestal pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/USP, Piracicaba, em 1994. Concluiu o mestrado em Solos e Nutrição de Plantas, em 1994, na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Recebeu o título de Doutor em Ciência do Solo pela École Supérieure Agronomique de Montpellier, França, em 1999. Atualmente é professor do Programa SolloAgro, ESALQ/USP e Sócio-Diretor da Fertilità Consultoria Agronômica.

 

Sobre a NPV 

A NPV – Nutrientes para a Vida – nasceu com objetivo de melhorar a percepção da população urbana em relação às funções e os benefícios dos fertilizantes para a saúde humana. Braço da fundação norte-americana NFL – Nutrients For Life – no Brasil, a NPV trabalha baseada em informações científicas. A NPV tem sua sede no Brasil, é mantida pela ANDA (Associação Nacional para Difusão de Adubos) e operada pela Biomarketing. A iniciativa conta ainda com parceiros como: Esalq/USP, IAC, UFMT, UFLA e UFPR.

SEJA UM INSCRITO

Get updates and learn from the best

Outros posts

Rolar para cima